quarta-feira, 23 de maio de 2012


CONCEITO
              
Operador logístico, como se pensa imediatamente quando lemos vêem a cabeça alguém que trabalhe na logística. Mas na verdade ser Operador Logístico não é um profissional ou uma profissão. Operador Logístico é na verdade nada mais nada menos uma empresa Prestadora de Serviços Logísticos (P.S.L.). Operadores logísticos “Third-Party logistics” (3PL) envolvem o uso de companhias externas para realizar funções logísticas que anteriormente eram realizadas dentro da empresa.É especializada em gerencias e executar todas ou parte das atividades logísticas, nas várias fases da cadeia de abastecimento de seus clientes, agregando valor aos produtos dos mesmos. Para Novaes (2007) operador logístico, de acordo com a definição mais especifica, é o prestador de serviços logísticos que tem competência reconhecida em atividades logísticas, desempenhando funções que podem englobar todo o processo logístico de uma empresa cliente ou somente parte dela. A ABML (Associação Brasileira de Movimentação e Logística) por sua vez apresenta a seguinte definição: O operador logístico é o fornecedor de serviços logísticos especializado em gerenciar todas as atividades logísticas ou parte delas nas varias fase da cadeia de abastecimento de seus clientes, agregando valor ao produto dos mesmos, e que tenha competência para, no mínimo, prestar simultaneamente serviços nas três atividades consideradas básicas: controle de estoque, armazenagem e gestão de transporte.O operador também é responsável por parte do fluxo logístico devendo propiciar a continuidade deste, mesmo e as atividades forem realizadas pela própria empresa, cliente ou terceiro.
Uma outra definição seria que um operador logístico é um fornecedor de serviços logísticos integrados (transporte, armazenagem, esctocagem, informaçao) que busca atender com total eficácia as necessidades logísticas de seus clietnes de forma individidualizada, no caso as empresas nessa área. Devemos ter bastante cautela ao dizer que uma empresa de PSL é um Operador Logístico. Por exmplo, ao citarmos uma transportadora, imediatamente fazemos uma ligação à logística e dizemos que é uma prestadora de serviços logísticos, porém não pode ser considerada um operador logístico. 
Em função da importância que vem sendo assumida pela logísitica empresarial como instrumento de competitividade, da crescente tendência à terceirização das atividades log´siticas e do uso generalizado e indiscriminado que vem sendo feito da figura do Operador Logístico, no mercado de serviços logísticos

IMPORTÂNCIA
A logística, incluindo a prestação de serviço, é ainda, um setor em fase de crescimento e de transformação. Isso é resultado da propensão mais intensa de as empresas terceirizarem serviços de uma maneira geral, quando antes os realizavam por conta própria. A tendência rumo a uma maior competitividade nesse mercado global, está forçando as empresas a desenvolverem estratégias para adequarem seus produtos para competirem com mais eficária e eficiência, maximizando os recursos no processo produtivo. 
Sua importância fundamentalmente, de fato, surge pela causa de muitas empresas não terem o capital necessário para se investir adequadamente em um armazém. Afinal, a logística é cara. Envolve uma boa quantidade de verba. As atividades logísticas requerem uma aplicação intensiva de capital. Para mover e armazenar materiais e distribuir produtos é necessário muito espaço de armazenamento, equipamentos, mão-de-obra e cada vez mais são necessários também computadores com hardware e software específico. Começou com a construção de armazéns para vendas de serviços logísticos, e com a terceirização, se obtém um custo baixo. No Brasil se tem a versão mais simples de Operadores Logísticos. Em outros países (EUA por exemplo) o operador logístico também realiza atividades de Marketing.

ATIVIDADES & CLASSIFICAÇÃO

Atividades que podem ser ofertadas pelos operadores logísticos:
  • Transporte e, serviços auxiliares em caso do transporte internacional
  • Armazenagem 
  • Manipulação de produtos, embalagem, identificação.
  • Operações industriais, como montagem final, testes de qualidade, etc.
  • Operações comerciais, como recebimento e tratamento de pedidos, de pagamentos, realização de propagandas, etc.
  • Serviços informacionais, como administração de estoques, rastreamento de veículos, etc.
  • Consultoria em engenharia e administração logística.
(canal logístico)
Os operadores logísticos também fornecem suportes físicos e infra-estruturas, tais como:
  • Caminhões;
  • Armazéns;
  • Serviços de mão-de-obra e gestão;
  • Serviços específicos (em alguns casos) incluindo:
    • Gestão do inventário;
    • Preparação da produção;
    • Planejamento estratégico da distribuição;
    • Aquisição de locais;
    • Disposição do armazém.

Os operadores logísticos podem ser classificados em:
  •  Prestadores de serviços básicos: detém ativos tangíveis (próprios ou alugados) e oferecem serviços básicos como transporte, armazenagem, embalagem, com baixo grau de complexidade.
  •  Prestadores de serviços de administração: detém baixo nível de ativos tangíveis e maior complexidade na oferta de serviços com base em recursos humanos como consultorias em logística, fornecedores de sistemas do gerenciamento de estoques, gestão empresarial, assessoria aduaneira. 
  •   Prestador de serviços híbrido: representado pelos grandes operadores logísticos que administram todo o processo logístico além de oferecer serviços físicos. Esses são combinados de forma a atender às necessidades dos clientes.
  
ORIGEM DOS OPERADORES LOGÍSTICOS 
Tem sua explicação em três motivos. O primeiro é baseado no E.C.R. (efficient customer response), ou seja, na “Resposta Eficiente ao Consumidor”. Corrente que consiste num movimento que surgiu por volta de 1980, mais precisamente no varejo supermercadista, na rede de supermercados Wal-Mart, onde os fornecedores para atender as necessidades impostas; como a ideia da reposição do estoque pelos fornecedores em um menor espaço de tempo; contratavam operadores logísticos para suprir os estoques do Wal-Mart. Estes faziam a coleta e reposição de estoque aos poucos diariamente, reduzindo assim custos e diminuindo o tempo médio, assim baixando o nível de estoque frequentemente. Ou seja, a ideia consistia na reposição do estoque em um menor espaço de tempo, assim concedendo o tempo hábil necessário para a resposta eficiente ao consumidor. Em outras palavras, o contexto onde as empresas passavam a ter uma maior preocupação com o nível de serviços oferecidos ao consumidor, além da grande necessidade de reduzir custos com o processo logístico, houve uma parceria com fornecedores para repor as mercadorias no menor tempo possível, afim de garantir maior eficiência nas operações, redução de estoques  e custos com armazenamento e, disponibilidade dos produtos no momento em que o consumidor desejá-lo.
Outro motivo para o seu surgimento foi devido a uma forte influência e a às exigências da Cadeia de Suprimentos (Supply Chain Management), como a tecnologia de ponta e pessoal qualificado. O SCM, que tem uma definição muito mais abrangente que o próprio conceito de Logística, envolve uma interação entre todos os componentes dessa cadeia, desde a fabricação até o consumo, passando também pelos distribuidores, revendedores, entre outros. Assim a gestão da cadeia logística consiste numa série de aproximações utilizadas para integrar eficazmente fornecedores, fabricantes e lojas, para que a mercadoria seja produzida e distribuída nas quantidades ideais, na localização certa e no tempo correto, com o objetivo de satisfazer o nível de serviço e diminuir os custos ao longo do sistema . Alguns dos objetivos do Supply Chain Management refere-se a redução de custos e melhora no tempo dos ciclos de fornecimento, ou seja, justifica  a ncessidade de empresas de grande porte apostarem na utilização de operadores logísticos para aperfeiçoarem seus processos de logística e agregarem valor ao negócio. As várias atividades logísticas, susceptíveis de serem subcontratadas, podem ser agrupadas de acordo com sua posição na cadeia de suprimento. Em geral, os operadores logísticos se ocupam do conjunto de atividades relacionadas a um dos dois grupos chamados respectivamente de logística de entrada de suprimento e logística de saída ou distribuição.
O desenvolvimento das diversas atividades assumidas por um operador logístico perante o contratante pressupõe a existência de condições mínimas no que diz respeito à infra-estrutura necessária para tal. Dentro deste requisito encontram-se os aspectos referentes a instalações físicas, equipamentos específicos, recursos humanos, hardwares e softwares que, via de regra, demandam investimentos de “grosso calibre”.
Assim, a necessidade de otimizar os transportes tornando-os confiáveis e eficazes em respostas às diversas situações existentes no mercado - cite-se como exemplo o e-commerce - faz com que os operadores logísticos adequem sua frota para cumprir as tarefas envolvidas em tais situações. Em resumo, existe a necessidade de investimentos significativos em frota, tecnologia de informação, equipamentos de gestão de risco, gestão de recursos humanos e produtividade para atender à necessidade crescente da Logística, com o objetivo de reduzir os custos operacionais e de estoques e garantir a melhoria do nível de serviço prestado. E, o desenvolvimento das diversas atividades assumidas por um operador logístico perante o contratante pressupõe a existência de condições mínimas no que diz respeito à infraestrutura necessária para tal. Dentro deste requisito encontram-se os aspectos referentes a instalações físicas, equipamentos específicos, recursos humanos. Assim, a necessidade de otimizar os transportes torna-os confiáveis e eficazes em respostas às diversas situações existentes no mercado.
O último motivo seria a tendência mundial pela horizontalização, ou seja, a terceirização. A substituição da verticalização tem como características principais tentar produzir tudo que puder, mantendo total controle sobre produtos, tecnologia e negócio (lucro), porém, acarretava problemas gerenciais pelo aumento de porte da empresa sem o devido controle, atividades não ligadas diretamente ao negócio, ineficiência e altos custos, pela horizontalização, que consistia em parcerias e/ou contratação de empresas exernas para adquirir produtos e serviços utilizados no processo  produtivo, reduzir custos, incorporar novas tecnologias, garantir flexibilidade no volume de produção, entre outros. “O abandono do paradigma da verticalização, nas modernas cadeias de suprimento, cria demandas que são, em grande parte, supridas por outros agentes econômicos” (NOVAES, 2007 p. 279). Para o autor, empresas externas como transportadoras, por exemplo, redefinem ou ampliam seus negócios, passando a oferecer uma gama mais ampla de serviços que atendessem às necessidades dessas grandes cadeias de suprimento, e, consequentemente, deram origem aos operadores logísticos como conhecemos atualmente. A decisão de terceirizar cabe a alta administração, conforme suas estratégias de negócios. Porém, isso não se dá de forma tão simples. São necessárias definições quanto a fazer internamente ou fora da empresa. No caso de se pensar em contratar o operador, o que vem a cabeça é a redução de custos e a melhoria do nível de serviços, pois permite ao contratante reduzir seus investimentos em ativos, ter o foco centrado no seu negócio, uma maior flexibilidade operacional, redução dos custos de armazenagem, estocagem, frota e tecnologia da informação. Em contrapartida, verticalizando essas ações permitem aumentar o controle sobre as operações, avaliar e monitorar todo o processo de uma forma mais eficiente.


O PROCESSO DE TERCEIRIZAÇÃO  

A globalização, a proliferação de produtos, a segmentação de mercados, a diminuição do ciclo de vida dos produtos e a crescente exigência por melhores serviços são fatores que favorecem a contratação de operadores logísticos. Segundo Novaes (2007), As empresas devem avaliar quais atividades da área de logísticas podem ou devem ser terceirizadas afim de garantir que essas escolhas proporcionem retorno dos investimentos aplicados, melhoria na qualidade das operações ou que não necesitem ser manipuladas por terceiros informações julgadas como estratégicas ou confidenciais para a organização. Deve ser realizado estudos para avaliar as vantagens, qualidade dos serviços oferecidos pelos operadores logísticos, cumprimento dos prazos estabelecidos e relação custo/benefício, entre outros. Após clareza desses dados, definir qual empresa será contratada e a forma de relacionamento mais adequada.



Após seleção, identificar ferramentas gerenciais para serem utilizadas na parceria como forma de controle. O contrato logístico corresponde à ferramenta mais importante. Nele deve ser definido como a perceria deve ser conduzida, como será medido o desempenho e avaliação dos resultados obtidos, dispositios de incentivo e de sanção, prazos para realização de serviços, cláusulas com penalidades pelo não cumprimento de itens por ambas as partes, nível de qualidade, preços, entre outros. Esses contratos são específicos para cada empresa e atividades envolidas e devem garantir a condução da parceria, redução dos riscos de falhas e possibilidade de rápida correção das distorções identificadas. É preciso haver confiança entre os parceiros durante todo o ciclo de vida dessa parceria, porém, sem excessos, utilizando sempre as ferramentas de controle. Em casos específicos, pode ser estudado e considerado pela empresa contratante a reintegração dessas atividades logísticas abrindo mão de empresas prestadoras de serviços, porém, a decisão deve ser tomada com cautela já que obriga a repensar todo o planejamento estratégico estabelecido anteriormente.

O DESAFIO
Com o ambiente competitivo dos dias de hoje as empresas estão constantemente em busca de uma maneira de melhorarem a sua eficácia operativa alcançando vantagem competitiva. Para as empresas que enquadram-se no ramo de Operadores Logísticos, fica o desafio de aproveitar da melhor forma possível o aumento da demanda por este segmento já que é uma tendência mundial que está se consolidadndo a cada dia e com forte crescimento no mercado, devido ao fato de estar sendo a opção de grandes empresas  gerenciadoras de cadeias de suprimento que buscam diferencial competitivo e vê nesses prestadores de serviços um oportunidade de  ampliar e melhorar seus negócios. Cabe aos operadores logísticos entender as necessidades desse mercado e aperfeiçoar seus serviços para atender à demanda, investindo em ativos tangíveis como frota de veículos ou outros meios de transporte, em instalações físicas e grandes áreas (armazéns) para as operações de armazenagem, controle de estoques, cross docking entre outros, equipamentos de movimentação de materiais, softwares para gerenciamento das atividades, otimização das rotas de distribuição, treinamento dos recursos humanos, investimentos significativos em tecnologia de informação e equipamentos de gestão de risco entre outros.



Quando corretamente implementados, os operadores logísticos podem ajudar a cumprir estes desafios. O potencial na redução de custos da subcontratação tem sido provado a nível mundial, onde muitas empresas tem conseguido reduções substanciais nos gastos logísticos. Nomeando apenas algumas vantagens de utilização, os operadores logísticos podem permitir à empresa a redução na realização de transportes em economias de escala através de rotas mais diretas e envios porta a porta. Também, um melhor planejamento e uma melhor previsão na cadeia de abastecimento significam resultados importantes na redução de emergências, como ter que recorrer a transportes de última hora ou serviços pontuais de avião e caminhão.Tudo isso em prol de aumentar a produtividade, atendendo às necessidades crescentes da Logística, objetivando a redução de custos operacionais e de estoques para garantir que os serviços prestados tenham melhoria no seu nível de qualidade



REFERÊNCIAS BÁSICAS:


CONCEITO DE OPERADOR LOGÍSTICO, [online], disponível na Internet via: http://www.abml.org.br/website/downloads/conceitoDoOperadorLogistico.pdf

NOVAES, Antônio Galvão. Logística e gerenciamento da cadeia de distribuição: estratégia, operação e avaliação. 3. ed., rev., atual. e ampl., 8. tiragem. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007


OPERADORES LOGÍSTICOS, [online], disponível na Internet via: http://pt.wikipedia.org/wiki/Operadores_log%C3%ADsticos


OPERADORES LOGÍSTICOS: “uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras?”, [online], disponível na Internet via: http://www.biblioteca.sebrae.com.br/bds/bds.nfs/024829146ACE12B103256E770064C56a/$File/NT0004727A.pdf


OPERADORES LOGÍSTICOS – algumas considerações, [on ine], disponível na Internet via: http://www.revistaporturaria.com.br/site/?home=artigos&n=zTqU&t=operadores-logisticos-algumas.consideraces



GRUPO:


Camile Meneses Resende de Aragão

Jorge Augusto Cruz Trindade 

Pedro Cezar Araújo Vieira

Robson Moura Sampaio

Sinara Léssia Morais Reis

Exemplos de Operadores Logísticos no Brasil


Com a solidez e o know how de seus 30 anos de atuação no mercado, e a perfeição operacional valorizada por clientes e atestada pelo Certificado de Qualidade ISO 9001, a Transpiratininga oferece mais logística para racionalizar, integrar e otimizar processos. É reconhecida por proporcionar mais qualidade, mais tecnologia, mais agilidade e mais inovação, embasadas na excelência operacional e no diferencial humano. O patrimônio tecnológico, intelectual e humano da Transpiratininga permite criar relações de parceria em que a eficiência comprovada alia-se à flexibilidade para renovar processos - sempre com o objetivo de atender mais e melhor as demandas de seus parceiros:






Um dos melhores e maiores provedores de soluções logísticas do país. Com 69 anos de experiência, o Rapidão Cometa possui 8 mil profissionais dedicados. Está presente em todos os estados do Brasil, com 184 pontos no Brasil com 42 filiais, onde mais de 5 mil localidades são atendidas no brasil, com uma vasta área de mais de 650 mil m² de área contruída e de pátio:




Matéria sobre Operadores Logísticos


Material sobre Operadores Logísticos: Um Retrato do Setor hoje no Brasil,  em que também aborda caso da terceiriação adotada pela Carrefour. O material tem sua origem de um site específico em matérias relacionadas à Logística Empresarial, o Portal Log Web. Com certeza vale a pena conferir! Para sua visualização, necessita-se ter instalado no computador o programa Acrobat Reader. Clique aqui para visualizar!


"Melhores" Operadores Logísticos no Brasil


Segundo o site especializado em artigos e serviços logísticos, o Logisticando, os 7 melhores Operadores Logísticos que atuam no Brasil são:



























Site da empresa: http://www2.bomi.com.br/